terça-feira, dezembro 29, 2009

Porque a vida dá voltas...

... e eu vim ver o que foi feito deste canto de desabafos online.
Talvez eu o retome, mas com outro propósito - o passado registrado aqui é muito dolorido, ridículo ou insignificante para ir além das minhas próprias memórias (físicas).

Quem sabe uma nova função envolvendo a Imma, já que o domínio que eu gostaria foi tomado por algum imbecil há dois atrás que nunca postou mais nada??
Enfim. Veremos.

sábado, março 03, 2007

O bom filho, bla bla bla

Então... aquela coisa toda.

Quantos anos têm esse lugar aqui? Uns 7? Quantos anos da minha vida ele viu ativamente, meu deus...
E quantos ele perdeu nos últimos anos onde eu o abandonei.

Quem garante que não o farei de novo?
Let it be. Foda-se. O que achar melhor.

domingo, agosto 13, 2006

13/08/06 - Like a Prayer

Senhor e Senhora, livrai-me do piloto automático.
Livrai-me do pessimismo desenfreado, mas também não permitam que eu me torne uma palhaça alienada. Uma dose de realidade e crueza é o que me mantém coesa nesse mundo.
Auxiliem-me a ver a beleza nas coisas, pois há tempos isso tornou-se um tantinho complicado.
Ajudai-me a encontrar meu lugar nessa vida. Eu já tive alguns, anteriormente. Poderiam não ser maravilhosos, mas eu não me sentia tão deslocada como em tempos recentes.
O termo é, de fato, deslocada. Um amigo disse certa vez que a culpa era minha, que eu acabava me fazendo assim como defesa. Quem sabe não seja um pouco verdade? Não achei um ambiente suficientemente acolhedor para ser eu mesma, sem defesas.
Já achei, antes. E olhe no que deu eu me mostrar sem amarras.

(que porre isso, hein? Ainda bem que deve existir somente umas 2 pessoas que ainda sabem o caminho pro meu caern! *rs*)

sexta-feira, julho 14, 2006

14/07/06 - Speed... speed...

Acordaenrolanacamalevantatomabanho
comepegaônibusdescepegamaisônibus
andaentranaagênciatrabalhaenrolatrabalha
almoçatrabalhatrabalhaenrolatrabalhapega
ônibusandapegamaisônibusandacomedorme.

Todo dia ela faz tudo sempre igual.
E sonha. Pouco, mas sonha.

quinta-feira, junho 22, 2006

22/06/06 - Anansi Boys

Acabei de ler o livro citado acima, e caí em mim de que deixei de brilhar há algum tempo. Sim, isso faz falta. Sim, isso está ligado a acontecimentos tristes ocorridos desde dezembro de 2005 até dias atrás. Algo me diz que não há mais espaço ou tempo pra timidez, pra engolir sapos, pra perder tempo estando com pessoas que não necessariamente se gostaria estar. E não faz mais sentido perder oportunidades de diversão ficando presa a "ah, mas aquela fulana idiota está na festa" ou "ai, aqui tá cheio de gente nada a ver". Tudo têm a ver. Temos a capacidade de mudar um ambiente à nossa volta, a nosso favor ou contra. É só querer. Acreditar. Ou cantar a canção certa.

sexta-feira, junho 09, 2006

09/06/06 - To Do List

Eu amo tópicos e listinhas. É uma tara irracional; não sei se é porque elas são estéticas, ou porque elas me transmitem segurança (mesmo que eu não faça o que foi sugerido na listagem).
Resumo dos últimos tempos:

- A pessoa do post anterior passou a me perturbar menos. Talvez pelo fato de que eu comecei a tratar tudo o que eu passo com ele com uma boa dose de ironia.
- Mudança de cargo à vista. Será a ascensão profissional mais rápida da minha história.
- Estou há mais de um mês em jornada dupla freela em casa/trabalho/freela em casa. Isso acabou com minha saúde e o restinho de sanidade.
- Terracomédia me fodendo a vida até nos últimos instantes de ligação com ela; quase que não recebo minha homologação do FGTS por incompetência dos servos de Sauron.
- Sonhei com um indie de suéter cinza. Não deveríamos sonhar com coisas felizes que nos deixam tristes quando tudo acaba.
- Adjetivo do dia: "Sou ácida como aspirina".

E chega, que toda a eloqüência esvaiu-se em fumacinha enquanto vegetava na fila de espera do DRT. E eu falo palavrão, sim, obrigada. Tudo com seu devido contexto.

quinta-feira, maio 18, 2006

18/05/06 - Vocês não gostariam de me ver nervosa... (salve Hulk)

Porque eu sou idiota e sou gentil com gente que agora resolveu me encher de patada?
E se essas gentes me davam patada antes e eu não notava porque estava preocupada em ver somente o que me interessava e sublimava o resto?

Pois quer saber? Cansei.
A pessoa me liga todos os dias depois da separação, eu atendo numa boa. Aí eu resolvo ligar de volta, poxa, vamos retribuir a gentileza, vamos ser educados e perguntar como foi a operação, e o que eu recebo? Patada. Sendo que se não fosse por mim a pessoa não teria conseguido passar nem pela triagem. COMO eu fui idiota em ter acreditado no lance de "vamos manter a amizade, por favor!!!".... burra...

E se você ler esse blog por um acidente do destino, pessoa, quero que saiba que eu cansei de receber patada sua. Recebia quando estava comprometida porque sob certo aspecto fazia parte do pacote eu ser compreensiva. Agora não. Definitivamente não. Então, se você me ligar de novo, mal-agradecido, vai ouvir tudo o que não quer, e está entalado na minha garganta por meses a fio.

Eu tenho um limite. Digamos, um limite de respeito pelo outro em termos de ex-relacionamentos. A dor da separação costuma ser intensa, chata, persistente. Às vezes ela desaparece com o tempo de forma suave. Mas o meio mais eficiente e brutal é forçá-la até o limite. Ele é enoooorme de largo salve-salve, mas têm fim. Esse fim chama-se auto-estima. Eu não tinha muito em idos passados, então a paciência estourava lá longe.
Não é o caso hoje em dia. E ela já está na beira do estouro. Ou já estourou?

quarta-feira, maio 03, 2006

03/05/06- Vendo a vida com olhos olhos

Saldo dos últimos dias:

- Olhos novos! Deus mora na Ciência e vice-versa: cirurgia de miopia que reverteu praticamente todo o grau que eu tinha me deixou radiante. Engraçada é a metáfora de "ver a vida com novos olhos"...será?
- O trabalho vai bem: não me exige absolutamente em nada intelectualmente falando, e enquanto minha porção Geração Y estiver confortável com isso, ótimo. Quando eu não agüentar mais, caio fora pra algo melhor. Caso apareça algo melhor, dane-se a porção Gen Y e vamos à luta.
- Não quero falar do amor, pode ser? Estou jogando nas mãos do Universo pela... hm...4ª vez. Funcionou das outras vezes. O Universo costuma ir com a minha cara nessa área.
- E é isso, por hora. Voltemos a atender telefonemas como louca e a gerenciar as porteiras do Inferno.

terça-feira, abril 18, 2006

18/04/2006 Jesus, Mary, Joseph & Camel

Então... né? Correndo atrás do tempo perdido em ritmo acelerado:

- Meu Natal foi esquisito por pressões alheias, mas dane-se, passei por isso como passo por tudo.
- Meu ano tinha começado até bem, porque a razão da pressão chata do natal tinha aparentemente sido corrigida -de novo- então as coisas pareciam correr bem.
- Aí o objeto de pressão disse que não sabia o que queria da vida e eu quase que volto à estaca zero. How great.
- Então, eis a grande bomba: fui demitida sem motivo. OK, claro que teve um motivo; complô de duas vacas cujo nome não citamos proque elas são paranóicas e se acham meu blog, tô fudida Bátima.
-Desempregada e mal-amada, essa era a vida que eu não quis... Tá, não tão mal-amada assim, porque gato escaldado têm medo de água fria e sente o cheio da mesma a metros de distância, então eu estava zen. Aí ele bota uma foto meiga nossa no orkut dele, e eu fico me questionando se as coisas, finalmente, depois de quase 4 anos (QUATRO ANOS) vão passar pra um terreno naturalmente mais sério.
-Arrumo emprego de recepção numa agência de publicidade. OK, Legal, quebra um galhão enquanto eu ganho o mesmo que antes mas trabalho bem menos!
-E ele resolve que não sabe o que quer mesmo e, DE NOVO, pede um tempo pra pensar. Que obviamente não vai usar pra pensar, e como ele não lê esse blog eu posso escrever sem medo.
-Aí eu olho outros casais, e as coisas que eles fazem um com o outro, desde bilhetinhos de amor ao simples fato de colocar "comprometido" naquela opção do orkut; e eu percebo que, puxa vida, eu não tinha isso há MUITOS MESES. E que eu sinto falta disso, desse tipo de coisa que pode parecer besteira e no fundo deve ser mesmo, mas somos todos humanos e por conseqüência, bestas. Não me condeno por querer um testimonial de quem eu amo.
-E eu atraio esse tipo de confusão, é incrível. No começo é um sonho, mas eles se acomodam, e o sonho acaba como em uma música. Aí eu dou replay, replay de novo, mas não adianta só você fazer o serviço. Eu ainda gosto daquele salafrário, mas tudo têm um limite. Quando eu chego no meu, as coisas ficam... desagradáveis.
-E a mais idiota de todos sou euzinha, que me acho velha demais pra iniciar um relacionamento amoroso com algum tipo de profundidade aos 26 anos. Isso não existe, nunca vi existir. Uma coisa é você errar com 21, outra é errar várias vezes e chegar nos 26 achando que vai virar uma encalhada.

P.S.: Leia esse post com tom de humor negro e você pegou o clima atual.

segunda-feira, dezembro 12, 2005

12/12/05 - nada

nada.
nada.
nada.
nada.
nada.

nada de nada.
nadando pra sair dessa.
Quem perdeu o chão, ou cria asas nos pés ou aprende a nadar no ar.

quarta-feira, novembro 23, 2005

23/11/05 - PqP

Imagine que você faz uma merda muito grande há quase dois anos atrás.
Imagine que você se arrepende muito, horrores, do que fez.
Imagine que, claro, as coisas não vão ficar ruins como eram antes, porque você está se esforçando pra tal.

Só que esse têm que ser um trabalho em conjunto.
E quando a outra parte te quebra as pernas?

domingo, outubro 16, 2005

16/10/05 - Constatação

PqP.

Deixei a vida passar, arrastar os meus amigos, e eu nem sequer me esforcei pra impedir.

E agora??

quarta-feira, outubro 12, 2005

We live in a beautiful world... yeah we do, yeah we do

- excesso de trabalho em pleno feriado de 12 de outubro
- desidratação por causa do calor excessivo que quase me fez desmaiar na frente dos clientes
- fome o dia todo, que tornou-se um profundo enjôo quando consegui me alimentar (mal, claro)
- não, nada de enjôos de outra "espécie", é o estômago mostrando pra mim que ele existe

E ainda tenho que abrir um sorriso amarelíssimo e ser educada com as pessoas após meu horário de trabalho?? Como diria um amigo, blow me!

sexta-feira, setembro 09, 2005

BBBBBad to the Bone

OK, eu andei cometendo alguns deslizes comportamentais nos últimos tempos, que fizeram com que algumas pessoas viessem chamar minha atenção, brigar comigo, me dar broncas educadas, etc. OK, eu concordo com elas, eu devia ser boazinha e sorridente e amigável pois só assim as pessoas vão ser boazinhas, sorridentes e amigáveis comigo, já que vivemos numa sociedade de colméia onde tudo é entrelaçado e funciona em conjunto.

Só têm uma coisa. Um pequeno segredinho.
Às vezes eu gosto de não ser amigável. Às vezes é um prazer orgásmico ser grossa e chata com pessoas que ao meu ver não merecem educação ou gentilezas. Às vezes eu simplesmente tenho preguiça de disfarçar meu atual estado de espírito e acabo sem querer ferindo as(pouquíssimas) pessoas que, por alguma razão, passaram a gostar de mim.
Porque eu não me esforço pra ser amigável, e infelizmente na maioria das vezes eu não sou mesmo uma pessoa que instigue as outras a me conhecerem, a se aproximarem. Deve ser mal de ariano, mas nem vou desenvolver muito essa hipótese porque pode parecer aquela coisa besta de botar a culpa na data e horário do nascimento, quando a questão é bem mais profunda.
Porque todo o paradoxo reside no fato de eu querer que gostem de mim, mas não me esforçar pra tal. E não querer me esforçar para tal, pois me sinto idiota assim. Mas me sinto mais idiota ainda por, no fundo, querer que gostem de mim, porque, feliz ou infelizmente, eu gosto dos outros.

Eu sou esquizofrênica.

quinta-feira, setembro 01, 2005

Geht zum Teufel!!!

Por essas e outras que eu tenho que ser Lawful Evil: quando resolvo dar uma de boazinha, botam todas as culpas em mim...Quando resolvo facilitar a vida dos outros, descontam em mim!!!
E pra tudo completar-se de maneira hilária, achei no orkut uma pessoa que não via há anos e ela está feia e esquisita. E pensar que eu arrastava um caminhão por ela qdo era beeem novinha...tsc. Tsc. Tsctsctsctsctsctsctsctsctsctsc.